A Luz dos Aboim

28/11/2010

Cardozo!

Filed under: SLB — ivo980 @ 20:53

Serei breve.

– Voltámos às vitórias.

– Assinámos 80 minutos de excelente nível.

– Confirma-se em absoluto que a equipa necessita de um médio que confira equilíbrio e disciplina táctica à equipa. E esse médio é, neste momento, Ruben Amorim.

– And last, but definitely not least, o regresso inspirado do nosso goleador, que é muito mais do que isso.

– A minha barrinha de fé na equipa subiu um bocadinho.

Saudações.

(Espero que tenham tido oportunidade de ver a partida entre o Roger Federer e o Rafa Nadal. Foi, como sempre, excepcional. E ganhou o Rei, de uma forma sublime.)

Anúncios

25/11/2010

Vencidos

Filed under: SLB — Etiquetas:, , — Carlos @ 18:58

O resultado do jogo que disputámos ontem em Telavive contra o Hapoel e que perdemos por 3-0, apesar de não ilustrar o que se passou em campo, acaba por evidenciar a falta de eficácia e de preparação da nossa equipa.

É incrível a forma como perdemos contra uma das equipas mais fracas que disputa a presente edição da fase de grupos da Liga dos Campeões!

Nos três jogos que disputámos fora de casa, nesta competição, sofremos 7 golos e marcámos zero. Inadmissível, se pensarmos que os nossos adversários no grupo eram dos mais acessíveis para defrontar (basta ver as baixas classificações e desempenhos que tinham nas respectivas ligas esta época).

A nossa equipa está muito aquém das expectativas que a conquista do último título tinha gerado. Parece uma equipa vulgar. Os jogadores não têm mostrado brio nem capacidade.

Culpa deles, exclusivamente? De quem mais? O que se passa?

Começámos o jogo com o Hapoel a pressionar e cheios de vontade de atacar. Criámos oportunidades mas não conseguimos marcar. O nosso jogo vivia de alguns rasgos individuais de um ou outro jogador. Faltou velocidade nas movimentações e lucidez na hora do remate.

Falta-lhes confiança? O que fazer?

Propositadamente não refiro os jogadores do Benfica que achei melhor e pior mas parece-me evidente que alguns jogadores andam alheados nos jogos e têm tido baixo rendimento. Também noto que o treinador está menos interventivo no banco, durante os jogos, e parece conformado com os fracos resultados obtidos.

O que mudou desde a conquista do título, há 6 meses?

Conversando com o BLA, a propósito do jogo de terça-feira passada em Braga, dizia-me ele que, apesar de termos um plantel muito bom, não via, nas actuais circunstâncias, capacidade anímica da nossa equipa para defrontar o Arsenal e derrotá-los com 2 golos, como o Braga tinha feito. Estava a adivinhar o guião do jogo de Telavive.

Numa ou noutra ocasião, a equipa israelita ainda tentou equilibrar o jogo mas fomos nós que continuámos a ter mais iniciativa durante a maior parte do tempo. Apesar disso foi o adversário que em 4 oportunidades marcou 3 golos e nós zero.

Algumas estatísticas do jogo contabilizam que entre o primeiro e o segundo golo do Hapoel teriam decorrido 45 minutos e que durante esse período os nossos adversários não teriam rematado uma única vez à nossa baliza. A ser verdade, seria o equivalente a metade de um jogo de futebol sem rematar.

Onde está a defesa autoritária da última época?

Considero portanto que ontem perdemos por culpa própria e não dei por quaisquer outros casos que tivessem condicionado o jogo e influenciado o resultado.

Este ano, a Liga dos Campeões já acabou para nós. Vamos ver se conseguimos ir à Liga Europa. Além dos títulos que nos enchem de orgulho, não devemos descurar os benefícios financeiros que a participação nas competições europeias proporcionam ao Clube.

Dito isto e pesando o facto de estar muitíssimo desiludido e de sentir que o nosso querido emblema foi humilhado, não me parece ser a altura de fazer balanços trágicos e pedir a cabeça seja de quem for nem exigir pedidos de desculpa patéticos e inconsequentes.

Como disse aqui outro benfiquista, “o silêncio por vezes é de ouro, outras de prata, e por vezes mata”.

Por isso, espero que qualquer um dos responsáveis pelo futebol do Benfica, Luís Filipe Vieira ou Rui Costa, se pronuncie com a maior brevidade sobre a situação actual que o futebol atravessa e as medidas que estão a ser tomadas para a corrigir.

Viva o Benfica!

 

 

Humilhante…

Filed under: SLB — Etiquetas:, , — BLA @ 17:52

Nem me quero alongar muito, como deverão calcular. De resto, nenhum de nós estará concerteza com vontade de escrever ou ler muito mais sobre este assunto…

No entanto, parece-me importante (nem que seja para que saibamos quando aconteceram certas coisas..) focar aqui quatro pontos acerca do descalabro israelita de ontem:

  • O JJ parece estar – pela primeira vez desde que, na plenitude da sua fanfarronice, chegou ao Glorioso  – nervoso.  Nao é exactamente uma novidade (infelizmente), mas vê-lo gaguejar sem que isso signifique o seu muito próprio natural atropelo do Português, não conseguindo esquivar-se a algumas perguntas dos jornalistas e, sobretudo, não tendo respostas prontas para lhes dar, é preocupante. É preocupante, não pela fragilização da sua posição como treinador do Glorioso, mas porque isso demonstra de uma forma finalmente clara e inequívoca a falta de ideias e falta de soluções que tem para a pobreza do nosso futebol. A culpa não é tanto dos Hulks, nem do azar na concretização – o Benfica falha e o JJ não sabe porquê, nem como invertê-lo.
  • Outra situação que me parece estar a acontecer é que esta falta de soluções do treinador para inverter a situação já terá sido detectada pelos jogadores. Aquilo que na época passada foram palavras sábias que os jogadores tiveram toda a conveniência em seguir, transformou-seesta época em alguns desvarios e medidas de desespero sem nexo, sem sentido e, principalmente, sem que dêem frutos. Como é fácil de perceber, um treinador cujas decisões e opções não inspiram confiança aos seus jogadores, é um treinador que deixou de ter o absoluto controlo sobre o balneário. Isto, sem que em causa esteja a ser posto o profissionalismo dos jogadores, pois parece-me a mim que eles têm dado provas de entrega e vontade de inverter as situações negativas com que nos temos deparado. O problema é que, por mais profissional que se seja, a capacidade de por vezes darmos 110%, de fazermos aquele sprint extra, aquela bola dividida, está intrinsecamente ligada à , à motivação, à convicção de que aquilo que fomos “comandados” a fazer é uma boa opção e vai dar os seus frutos. E é aqui que eu me parece ver os jogadores do Benfica a já não acreditarem nas opções do JJ…
  • Fazer ainda a óbvia (e talvez desnecessária, de tão óbvia..) reprovação de todas as bocas do JJ acerca da Liga dos Campeões e da participação do Glorioso nesta prestigiada prova, dos altos objectivos e das patéticas ilusões de grandeza do Mestre da Táctica. Pela boca morre o peixe! O pior é que as casualties of war desta brincadeira toda somos nós, os sempre fiéis a quem o ego e o orgulho foi mais uma vez atacado… Não lhe perdoo.
  • Um último desabafo para agradecer ao JJ tudo o que fez pelo Glorioso e pelos jogadores (alguns, antes de ele chegar, eram apenas medianos) na época passada. Não é que eu procure nesta altura do campeonato medidas extremas sem que soluções previamente pensadas estejam em cima da mesa, mas, infelizmente, para mim, o JJ já não faz cá falta nenhuma.

Benfica somos nós!

Viva o Glorioso!

23/11/2010

Número redondinho

Filed under: Geral — Carlos @ 17:49

Fiquei satisfeito ao verificar que atingimos hoje  o número de 600 visitas ao nosso Blog, desde que iniciámos este projecto, em 7 de Setembro deste ano. Isto, sem publicidade…

Vamos ver quando chegaremos às mil visitas.

Parabéns aos autores que dão corpo a este nosso blog e muito obrigado a quem nos visitou!

16/11/2010

Tributo I (a José Saramago, 1922-2010)

Filed under: Biografias, Geral — Etiquetas: — Carlos @ 20:19

José Saramago, português, Prémio Nobel da Literatura, completaria hoje 88 anos de idade.

Filho dos camponeses José de Sousa e Maria da Piedade, nasceu no dia 16 de Novembro de 1922, na aldeia ribatejana da Azinhaga, no concelho da Golegã,  embora o registo civil mencione como data do seu nascimento o dia 18.

Deveria ter sido registado com o mesmo nome do progenitor mas “o funcionário do Registo Civil, por sua própria iniciativa, acrescentou-lhe a alcunha por que a família do pai era conhecida na aldeia: Saramago”. Este nome é o de uma planta espontânea “cujas folhas, naqueles tempos, em épocas de carência, serviam como alimento na cozinha dos pobres”.

Veio com os seus pais viver para Lisboa, com menos de três anos de idade. Durante a juventude, voltou frequentemente à sua aldeia natal, onde passou períodos prolongados na companhia dos seus avós maternos de quem muito gostava.

Fez estudos no liceu e numa escola industrial. O seu primeiro emprego foi como serralheiro mecânico, tendo depois exercido as profissões de desenhador, funcionário público, editor, tradutor e jornalista.

Desde cedo, manifestou interesse pelas letras, sendo um frequentador assíduo da Biblioteca Municipal Central de Lisboa, no Palácio Galveias (a sua universidade, conforme se lhe referiu).

Foi um autodidacta.

Publicou o seu primeiro livro em 1947 (Terra do Pecado) e só voltou a publicar outro em 1966 (Os Poemas Possíveis). Trabalhou durante doze anos numa editora, desempenhando funções de direcção literária e de produção. Colaborou como crítico literário na Revista “Seara Nova”.

Em 1972 e 1973 fez parte da redacção do “Diário de Lisboa”, onde fazia comentário político. Também coordenou o suplemento cultural daquele jornal, durante alguns meses.

Pertenceu à primeira Direcção da Associação Portuguesa de Escritores e entre Abril e Novembro de 1975 foi director-adjunto do “Diário de Notícias”.

Desde 1976, dedicou-se exclusivamente a traduzir obras estrangeiras e a escrever e publicar os seus livros.

Em 1980, alcança notoriedade com o livro Levantado do Chão e dois anos mais tarde obtém sucesso com o romance Memorial do Convento.

Em 1991, publica O Evangelho Segundo Jesus Cristo. Esta obra viria a ser censurada pela Igreja católica e por governantes portugueses, o que levou José Saramago a exilar-se em Lanzarote, nas Ilhas Canárias, Espanha, onde viveu até à sua morte, na companhia da jornalista espanhola Pilar del Rio, com quem se havia casado em segundas núpcias.

Em 1998, foi distinguido com o Prémio Nobel da Literatura.

Além de romances, publicou crónicas, contos, peças de teatro, poesia, um livro de viagens e um diário, conforme lista completa que apresentamos a seguir.

Nos últimos anos desenvolveu a publicação de artigos no blog O Caderno de Saramago.

José Saramago faleceu no dia 18 de Junho de 2010, aos 87 anos de idade, em Lanzarote.

O seu funeral realizou-se em Portugal com Honras de Estado, tendo o seu corpo sido cremado no Cemitério do Alto de São João, em Lisboa. As cinzas deverão ficar depositadas, junto a uma oliveira, num jardim em frente ao edifício da Fundação Saramago, no Campo das Cebolas, em Lisboa (antiga Casa dos Bicos), conforme a sua vontade.

As posições políticas comunistas que defendeu durante toda a sua vida fizeram de José Saramago uma figura controversa e muito contestada mas ouso afirmar que não será por essas ideias que irá ser recordado!

O seu verdadeiro legado são as suas obras que irão perdurar nas bibliotecas e no coração dos seus leitores!

(imagem in site Fundação José Saramago)

OBRAS PUBLICADAS

Poesia

  • Os Poemas Possíveis, 1966
  • Provavelmente Alegria, 1970
  • O Ano de 1993, 1975

Crónica

  • Deste Mundo e do Outro, 1971
  • A Bagagem do Viajante, 1973
  • As Opiniões que o DL teve, 1974
  • Os Apontamentos, 1976

Diário

  • Cadernos de Lanzarote I, 1994
  • Cadernos de Lanzarote II, 1995
  • Cadernos de Lanzarote III, 1996
  • Cadernos de Lanzarote IV
  • As Pequenas Memórias, 2006

Viagem

  • Viagem a Portugal, 1981

Teatro

  • A Noite, 1979
  • Que Farei Com Este Livro?, 1980
  • A Segunda Vida de Francisco de Assis, 1987
  • In Nomine Dei, 1993
  • Don Giovanni ou O Dissoluto Absolvido, 2005

Conto

  • Objecto Quase, 1978
  • Poética dos Cinco Sentidos – O Ouvido, 1979
  • O Conto da Ilha Desconhecida, 1997

Infantil

Romance

  • Terra do Pecado, 1947
  • Manual de Pintura e Caligrafia, 1977
  • Levantado do Chão, 1980
  • Memorial do Convento, 1982
  • O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1984
  • A Jangada de Pedra, 1986
  • História do Cerco de Lisboa, 1989
  • O Evangelho Segundo Jesus Cristo, 1991
  • Ensaio sobre a Cegueira, 1995
  • Todos os Nomes, 1997
  • A Caverna, 2000
  • O Homem Duplicado, 2002
  • Ensaio Sobre a Lucidez, 2004
  • As Intermitências da Morte, 2005
  • A Viagem do Elefante, 2008
  • Caim, 2009

As obras de José Saramago encontram-se publicadas nos seguintes países: Espanha (Castelhano e Catalão), França, Itália, Reino Unido, Holanda, Alemanha (ex-RDA e RFA), Grécia , Brasil, Bulgária, Polónia, Cuba, ex-União Soviética (Russo), ex-Checoslováquia (Checo e Eslovaco), Dinamarca, Israel, Noruega, Roménia, Suécia, Finlândia, Estados Unidos, Japão, Hungria, Suíça, Argentina, Colômbia, México.

O seu romance Ensaio sobre a Cegueira foi adaptado para cinema pelo realizador Fernando Meirelles, com o título em inglês “Blindness”.

O seu romance Memorial do Convento foi adaptado para Ópera pelo compositor italiano Azio Corghi, com o título “Blimunda”.

A peça de teatro In Nomine Dei foi adaptada para Ópera por Azio Corghi, com o título “Divara”.

 

PRÉMIOS

Obras de José Saramago distinguidas:

  • Em Portugal
    • Prémio da Associação de Críticos Portugueses, A Noite, 1979
    • Prémio Cidade de Lisboa, Levantado do Chão, 1980
    • Prémio PEN Clube Português, Memorial do Convento, 1982 e O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1984
    • Prémio Literário Município de Lisboa, Memorial do Convento, 1982
    • Prémio da Crítica (Associação Portuguesa de Críticos), O Ano da Morte de Ricardo Reis
    • Prémio Dom Dinis da Fundação Casa de Mateus, O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1986
    • Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores, O Evangelho Segundo Jesus Cristo, 1992
  • Em Itália
    • Prémio Grinzane-Cavour, O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1987
    • Prémio Internacional Ennio Flaiano, Levantado do Chão, 1992
  • Inglaterra
    • Prémio do jornal The Independent, O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1993

Prémios

  • Prémio Internacional Literário Mondello (Palermo), 1992 (pelo conjunto da obra).
  • Prémio Literário Brancatti (Zafferana/Sicília), 1992 (pelo conjunto da obra)
  • Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores (APE), 1993
  • Prémio Consagração SPA (Sociedade Portuguesa de Autores), 1995
  • Prémio Camões, 1995
  • Prémio Nobel da Literatura, 1998

15/11/2010

Estatísticas SLB – AN

Filed under: Estatísticas, SLB — Etiquetas:, , — kravi @ 10:31

10/11/2010

Efeméride IV (Robert Enke)

Filed under: Efeméride, SLB — Etiquetas:, , — Carlos @ 13:09

Robert Enke morreu faz hoje um ano.

Continuo a considerar que foi um dos melhores guarda-redes que passou pelo Benfica e creio que nunca será esquecido.

Lamento profundamente a sua partida tão novo.

 

 

Vídeo

08/11/2010

Equívocos

Filed under: SLB — Etiquetas:, — Carlos @ 20:47

Mas o que é que se passa com a nossa equipa? O que aconteceu para os campeões nacionais já não conseguirem produzir exibições como as da época passada que proporcionavam bons resultados e davam imensa satisfação aos adeptos e público em geral?

Já não se aguenta mais ouvir dizer que perdemos Di Maria e Ramires. É um facto que bastante falta nos fazem mas outros vieram para dar conta do recado. Arriscaria dizer que, nos últimos 30 anos, nenhuma outra equipa técnica do futebol do Sport Lisboa e Benfica teve tantos meios à sua disposição para desenvolver um excelente trabalho, como a desta época .

Perder um jogo nunca é bom mas ao menos que se perca mantendo a dignidade.

Não foi o caso de ontem e a responsabilidade do que se passou não cabe exclusivamente aos jogadores. Aconteceu sobretudo por equívocos do treinador Jorge Jesus a organizar a equipa e já tinha acontecido noutras ocasiões (Eusébio Cup e Supertaça Cândido de Oliveira)

O que Jorge Jesus fez foi uma autêntica revolução no plantel, principalmente na defesa que vinha sendo um sector da equipa muito sólido.

É verdade que a equipa escolhida até nem começou mal mas durou apenas 10 minutos, até à altura em que o adversário começou a explorar os desequilíbrios provocados pelas alterações no nosso sector mais recuado.

Porquê tantas alterações num jogo tão importante para os objectivos da equipa e para o ânimo dos adeptos, contra um adversário forte e muito motivado na luta pelo título?

Não achei bem a colocação em jogo do Sidnei porque tem sido pouco utilizado.

Não concordei com a passagem do David Luiz para lateral esquerdo porque não tem rotina naquele lugar, nem com a do Fábio Coentrão para uma posição mais adiantada porque acho que ali não rende tanto (caramba, afinal de contas é ou não um dos melhores laterais esquerdos da actualidade, e será que se pode prescindir dele nessa posição num jogo tão importante como este contra o fcp?).

Colocando o David Luiz atrás do Fábio Coentrão, acho que se perderam 2 desequilibradores fundamentais da equipa.

Também não posso estar de acordo com a colocação do Aimar naquela posição tão avançada, onde fica mais sujeito à pressão dos defesas contrários, nem deixar o Saviola no banco.

Concordo que Carlos Martins e Aimar estão em boa forma mas não é obrigatório que joguem sempre os dois, simultaneamente.

Não quero parecer ingrato nem esqueço o bom trabalho realizado por Jorge Jesus no último ano ao serviço do Benfica mas, desde o início desta época, acho que não tem conseguido ser o mesmo.

É verdade que as decisões técnicas sobre a equipa de futebol cabem exclusivamente a Jorge Jesus mas, como os resultados estão longe do que se pretendia, é razoável que os benfiquistas questionem se a situação está a ser devidamente avaliada e se estão a ser tomadas as medidas necessárias para a inverter. Gostaria de ter a garantia de que o projecto de construir uma grande equipa de futebol para os próximos anos se mantém e que os objectivos delineados pela Administração da SAD também continuam inalterados.

Com uma diferença de 10 pontos para o líder, vai ser muito difícil conquistar o bi-campeonato esta época mas não devemos desistir, enquanto houver uma possibilidade de o conseguir, por mais ténue que seja.

Embora seja difícil conseguir fazer esquecer o descalabro de ontem, espero que Jorge Jesus volte aos bons resultados  já no próximo jogo em casa e vou lá estar para renovar a minha confiança na equipa.

Como a generalidade dos benfiquistas sinto-me profundamente desgostoso mas, apesar de tudo, não acho aceitável que por causa do desaire que sofremos ontem se ponha em causa a competência e a continuidade da equipa técnica.

Viva o Sport Lisboa e Benfica

04/11/2010

Votação on-line (Outubro)

Filed under: Sondagens — Etiquetas:, — Carlos @ 16:38

Damos hoje início à votação para escolha do melhor jogador de futebol do Benfica, durante Outubro de 2010.

A partir de hoje, passaremos a pré-selecionar os jogadores submetidos às votações,

escolhendo os mais utilizados e que tenham tido melhor desempenho durante o mês em questão.

Votem já!

.VOTAÇÃO EXPIRADA.

Quando a votação for dada por concluída, publicaremos uma breve biografia do vencedor, desde que não tenha ganho anteriormente.

Em caso de empate, ganhará o jogador mais antigo no plantel.

Benfica 6-0 Real Massamá

Filed under: SLB — kravi @ 01:33

Aqui fica o resumo da goleada aplicada pelo Glorioso para a Liga Centenário:

http://videos.sapo.pt/gzyEcpozQRDb6Iwpc1b7

Saliento os dois bons golos e a assistência do nosso Capitão. Não sei se fisicamente ainda aguenta a carga de um jogo mais a sério, mas dá para ver que a qualidade ainda lá está. Dois grandes golos, o primeiro num chapéu de primeira difícil de executar e o segundo após uma recepção de bola (onde havia muito pouco espaço) que o coloca na boca do golo.

A assistência para o golo do Gaitán é de quem vê mais jogo do que a maior parte dos jogadores. Inteligência nunca lhe faltou!

Viva o Glorioso!

Older Posts »

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: