A Luz dos Aboim

09/12/2010

The time is..now!

Filed under: SLB — Etiquetas:, , — BLA @ 14:34

Nunca fui apologista de drásticas mudanças de treinador a meio de uma época. Esse estilo de gestão desportiva muito utilizada por anteriores Direcções do Glorioso lançou-nos pelas ruas da amargura durante vários anos. Foram inúmeros os despedimentos, as onerosas indeminizações, as novas contratações do tal treinador, os infindáveis “períodos experimentais”, etc…

A meu ver, a gestão desportiva – hoje em dia muito semelhante à gestão empresarial – tem que assentar em projectos e modelos de desempenho muito bem definidos. Estabelecem-se objectivos, contrata-se (dentro das possibilidades) de forma a fazer cumprir os objectivos e, por fim, avalia-se. Um objectivo só é obviamente considerado concretizado (ou não concretizado) no final dos trabalhos. Logo, na minha óptica de sempre em relação à bola, despedir treinadores a meio de uma época não é fazer uma avaliação consciente do cumprimento ou não dos objectivos – é populismo.

Como em tudo, existem sempre condicionantes que tornam cada caso um caso único, e não obstante tudo isto, a situação que se nos depara neste momento em relação ao Glorioso é subtancialmente diferente. E é substancialmente diferente na medida em que não estamos a falar de um qualquer Jupp Heynckes ou Graeme Souness, recém chegado ao futebol português e ao Glorioso, que nada saiba do clube (o «Benfica Football Club» do escocês é lendário…), da sua história ou das suas eternas obrigações na forma de encarar os adversários e competições. Não estamos também a falar de um plantel de jogadores que tenham sido maioritariamente recém contratados, também eles a necessitar de “adaptação”. E também não estamos a falar de tácticas, movimentos, métodos de trabalho que sejam substancialmente diferentes dos que vigoravam.

Estamos, sim, a falar de uma equipa e de um treinador que levou essa mesma equipa a um patamar muitíssimo elevado na época passada! Um plantel ao qual as únicas alterações feitas foram a venda de dois importantes activos e a sua (não muito acertada) “substituição” por dois ou três outros. Ou seja, um plantel que é, na sua essência, o mesmo da gloriosa época passada, utilizando os mesmos métodos de trabalho e as mesmas ideias tácticas! Para tão grande descalabro ter acontecido, tão grande diferença de comportamentos entre a época passada e a presente, algo muito sério se está a passar – a mensagem do treinador já não chega ao destino.

E, quando um dos elementos de uma equipa não só não acrescenta nada à mesma, como ainda perde a autoridade sobre os elementos que dirige via cabais demonstrações de falta de ideias (logo, competência), esse elemento passa a ser dispensável. Quer se queira quer não se queira, quer custe ou não custe, neste momento o JJ não é parte da solução, mas sim parte do problema do Glorioso!

Avaliar a concretização dos objectivos nesta altura da época pode parecer, à luz do que disse anteriormente, prematuro. Mas, se virmos bem, um dos objectivos (Oitavos-de-Final da Liga dos Campeões) já foi irremediavelmente (e de forma humilhante) perdido. No Campeonato, apesar de nem a meio termos chegado, as exibições são progressivamente mais e mais sofríveis, a equipa não parece querer continuar a lutar e so uma hecatombe nada normal para os lados das Antas lançaria novo fôlego a uma equipa que já há algum tempo o perdeu. Restam as Taças e a Liga Europa.

«Ainda há muito para jogar», dirão uns. E que «nada está irremediavelmente perdido», dirão outros. Concordo em absoluto. E é exactamente por isso que defendo a introdução de um novo líder – porque muito está, ainda, em jogo. E porque, com o JJ já nada resulta. A falta de inteligência e de capacidade de aprender com os próprios erros que demonstrou ao proferir as recentes declarações de que «podemos chegar ainda mais longe na Liga Europa», quando acabámos por precisar de uma dádiva do Lyon a dois minutos do final do jogo para sequer sermos apurados para a dita competição, foi para mim o esgotar da paciência. Acabou-se!

Há que pensar muito bem nas alternativas que possam existir neste momento. Alternativas que garantam o regresso dos jogadores ao nível de qualidade da época passada, sem que  necessárias sejam alterações profundas ao plantel, ou aos modelos tácticos a que já estão mais habituados.  Alternativas que se saibam e consigam impor no balneário – créditos firmados e inquestionáveis. Nunca mudar só por mudar – mudar com critério e para melhor.

O tempo do JJ esgotou-se. Sinto que, com ele, só continuaremos a piorar gradualmente. A alegria do nosso futebol esfumou-se há muito e, com ela, infelizmente, a qualidade também. The time is now…

Benfica somos nós! Viva o Glorioso!

Anúncios

8 comentários »

  1. Compreendo os argumentos para substituir já o treinador mas não estaria de acordo com essa medida. Não existe nenhum treinador que possa garantir fazer melhor do que JJ imediatamente. Infelizmente, não temos nenhum técnico em reserva para poder tomar conta da equipa e o Mário Wilson já não me parece ter condições para o fazer. Talvez o Humberto Coelho tivesse…
    Acho que um dirigente deveria emergir nesta ocasião e liderar um processo de “salvação” desta equipa, delineando objectivos simples e precisos e exigindo competência e dedicação profissional de todos.
    É preciso que o treinador perceba e os jogadores também que quem não alinhar na recuperação da equipa terá de assumir a respectiva responsabilidade.
    A normalidade é a equipa ganhar e jogar bem. Menos do que isto é anormal!
    Vamos ser exigentes, pois, como dizes muito bem, o Benfica somos nós!
    Viva o Benfica!

    Comentar por Mr C — 09/12/2010 @ 16:56

  2. Pois bem, eu concordo com vocês os dois mas não totalmente com nenhum.
    Acho realmente que as condições para o JJ seguir à frente dos destinos da nossa equipa são cada vez piores, principalmente porque me parece que a equipa perdeu a confiança nele, mas não acho que a solução seja despedi-lo.

    Se por um lado condeno todos os jogadores que não dão o máximo em campo, imagino que não seja fácil seguir orientações de alguém em quem não se acredita. Não estou a falar de uma orquestração para despedir o treinador, nem sequer de falta de confiança entre treinador e jogadores. O que eu digo é que, hoje, quando o Jesus manda alguém correr para a direita, esse alguém pensa duas vezes se não será melhor correr para a esquerda. E isto acontece naturalmente porque o JJ está a cometer demasiados erros, alguns deles infantis.

    Uma possível solução passa por mostrar a todos aqueles que duvidam das capacidades dele que ele não vai a lado nenhum. Que, gostem ou não, vão ter de o aguentar até ao final da época. Dessa maneira, e se realmente todos nos convencermos disso, pode ser que se ultrapasse este clima de incerteza e ainda se consiga ganhar alguma coisa esta época. O pior é mesmo a incerteza.

    Comentar por kravi — 09/12/2010 @ 23:59

    • Estou totalmente de acordo com o que dizes no último parágrafo, por isso é que seria importante algum dirigente referir-se à questão para ficar tudo esclarecido quanto ao futuro próximo. Claro que qualquer intervenção desse tipo deveria ser ponderada e estar apoiada em conselhos competentes.

      Comentar por Mr C — 10/12/2010 @ 11:34

      • Quanto a esclarecimentos por parte de dirigentes já não concordo.

        O voto de confiança tem de ser dado aos jogadores. Se for público corre-se o risco de poder ser tomado como mero populismo, mas ao ficar no seio da equipa ganha força. E muita!

        Nesta altura a equipa tem de se virar para dentro e trabalhar, não adianta virem explicar seja o que for. Até podemos, como sócios, querer exigir explicações e justificações, mas tudo isso passará quando eles voltarem a ganhar jogos.

        E, se formos a ver, por muito que expliquem e falem, se continuarem a não ganhar nunca vão satisfazer ninguém. Por isso mais vale unirem-se, concentrarem-se, por momentos esquecer todo o barulho à volta deles e trabalhar.

        Comentar por kravi — 10/12/2010 @ 14:48

  3. Concordo com todas as vossas opiniões. Embora não mudem aquilo que sinto que se deva fazer nesta altura…

    O último comentário do kravi acerta na mouche: NÓS até podemos querer que eles façam isto ou aquilo mas, na verdade, o que interessa é que o tal discurso seja feito internamente e compreendido por todos ELES. Eles é que vão dar (ou não) a volta a esta situação…

    Na melhor das hipóteses, nós conseguimos vislumbrar 1/10 daquilo que se passa lá dentro. Os discursos que são postos cá fora são amiúde populistas e pouco ou nada revelam de verdadeiro, portanto é necessário que tenhamos confiança que eles estão a adoptar as melhores medidas para ultrapassar esta situação.

    Mas é também pela inegável quebra de “confiança” nas capacidades do líder da equipa de futebol em dar a volta à situação que reitero a minha opinião de que mudanças drásticas são absolutamente indispensáveis para minimizar os estragos já feitos!

    Mas volto a repetir: mudar com critério, nunca mudar só por mudar!

    Comentar por BLA — 10/12/2010 @ 16:06

  4. Quando me refiro aos dirigentes da SAD do Benfica esclarecerem a situação actual da equipa de futebol não significa que tenham que vir a público dar informações detalhadas das medidas que estejam eventualmente a tomar. Quero dizer que devem dar sinais claros aos sócios de que estão a tomar medidas ainda que não tenham que dizer quais são. Na situação actual mais parece que estão a deixar andar. No entanto, esclareço que confio plenamente nestes dirigentes para resolverem quaisquer crises que possam atingir-nos, o que não quer dizer que estes mesmos dirigentes sejam infalíveis nem que tomem sempre as medidas necessárias e acertadas.
    Estou plenamente de acordo que a resposta à situação actual tem de ser dada exclusivamente pelos jogadores, manifestando empenho e competência nos próximos jogos. No domingo já verei o que os “meninos” têm para me dizer…

    Comentar por Mr C — 10/12/2010 @ 18:15

    • “(…) não significa que tenham que vir a público dar informações detalhadas das medidas que estejam eventualmente a tomar. Quero dizer que devem dar sinais claros aos sócios de que estão a tomar medidas ainda que não tenham que dizer quais são.”

      Como é que se dá um sinal claro aos sócios sem dar informações detalhadas? É com isso precisamente que eu não concordo. Digam o que disserem, se continuarmos a perder não vai servir de nada. E mesmo que não digam absolutamente nada, se começarmos a ganhar ficamos todos satisfeitos.

      Ou seja, o facto de virem falar é totalmente irrelevante e inconsequente e, se é assim, mais vale não falarem.

      Viva o Glorioso!

      Comentar por kravi — 10/12/2010 @ 18:57

      • Gostei das respostas do Presidente Luis Filipe Vieira na entrevista que deu à Benfica TV e que achei muito oportuna, manifestando a posição da administração da SAD quanto à situação actual da equipa de futebol e apelando ao bom senso dos sócios e adeptos.
        Viva o Benfica.

        Comentar por Mr C — 11/12/2010 @ 20:46


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: