A Luz dos Aboim

30/03/2011

Mários na Selecção – finalmente!

Filed under: Geral — Etiquetas:, , , — BLA @ 08:59

É caso para dizer: finalmente!

O Mário Palma é o novo Seleccionador Nacional de Basquetebol! E leva o seu fiel escudeiro, Mário Gomes.

A melhor dupla de treinadores nacionais vai finalmente liderar a selecção portuguesa. Os técnicos, que deixaram o comando da selecção da Jordânia, após terem garantido a qualificação da selecção árabe para o Mundial da Turquia, são a dupla com maior currículo de sempre no basquetebol nacional.

Mário Palma vai ser acompanhado de Mário Gomes, fiel escudeiro desde os tempos do Glorioso, onde conquistaram 22 troféus, entre Campeonatos Nacionais, Taças de Portugal, Taças da Liga e Supertaças.

Muito boa sorte a esta dupla de Campeões que tantas alegrias deu à nação benfiquista!

22/03/2011

Basta! II

Filed under: SLB — Etiquetas:, — BLA @ 20:31

Infelizmente, face aos últimos acontecimentos, somos obrigados a, mais uma vez, reflectir acerca do rumo que toda esta onda de violência contra os do Glorioso tem vindo a tomar. O nosso autocarro foi, mais uma vez, atacado por um grupo de criminosos. O automóvel que se lhe seguia, onde se encontrava o Presidente LFV, foi atingido. O LFV e o motorista do automóvel sofreram ferimentos ligeiros. Como será da próxima vez? Quando irá parar tudo isto? Será que só se dará a devida importância a estes acontecimetos quando algo de mais grave acontecer?

Embora não acredite que assim venha a suceder, seria crucial que não houvesse retaliações. É de extrema importância que actos destes fiquem associados unicamente a um certo tipo de adeptos, que não nos rebaixemos ao nível deles…

O Sport Lisboa e Benfica reagiu assim ao sucedido:

“Ontem, uma hora e trinta e cinco minutos depois do fim do jogo em Paços de Ferreira, a comitiva do Sport Lisboa e Benfica, num acto premeditado e executado com precisão, foi cobarde e violentamente atacada.

O País, através das imagens, foi testemunha deste ataque inqualificável, que diz bem do carácter e do propósito dos seus autores.

Todos assistimos – chocados e incrédulos – à repetição de actos que, infelizmente, vêm manchando o futebol português.

O que se passou ontem – que fique bem claro – não representa o futebol ou os seus adeptos. Não representa uma região ou uma cidade. Representa, apenas, um grupo de vândalos, que tem beneficiado da clandestinidade das suas acções.

Todos temos a obrigação de condenar, com clareza, actos deste tipo.

O que aconteceu ontem nada tem a ver com rivalidade ou com futebol; tem a ver com criminalidade.

O que se passou ontem também não tem a ver com o Sport Lisboa e Benfica, mas com o País que somos e com o País que queremos ser.

Já houve demasiados incidentes e o de ontem à noite – só por um feliz acaso – é que não ganhou proporções maiores, que hoje todos estaríamos a lamentar.

Mas a nossa obrigação não pode passar apenas por condenar a violência, qualquer que seja a forma por que ela se manifeste.

A nossa obrigação, porque somos um Clube responsável, com uma história centenária, é evitar agir da mesma forma.

Esta Direcção do Sport Lisboa e Benfica não se revê em quaisquer tipo de represálias que possam resultar da sequência dos sucessivos incidentes de que os nossos atletas e dirigentes têm sido vítimas.

A nossa grandeza e o nosso carácter devem levar-nos a pensar que somos o que somos porque não nos revemos neste tipo de acções.

Quero acabar, em nome da Direcção do Sport Lisboa e Benfica e da Administração da SAD, repetindo o nosso apelo para que, independentemente do repúdio a este tipo de actos, nenhum sócio, simpatizante ou adepto do Benfica, caia na tentação de reagir da mesma maneira.

O futebol é paixão e rivalidade, não é violência nem criminalidade. Não pode valer tudo e aqueles que acham que sim, estão a matar o futebol!”

Subscrevo na íntegra. Viva o Glorioso!

16/03/2011

50 Anos do Jaguar E-Type

Filed under: Efemérides — Etiquetas:, — Carlos @ 19:43

 

No dia 15 de Março de 1961 nasceu o Jaguar E-Type, um dos automóveis desportivos mais belos e apreciados de todos os tempos.

O design inovador e excelente desempenho tornaram-no um símbolo dos anos 1960, na tradição do que melhor produziu a indústria automóvel inglesa.

Entre 1961 e 1975 foram produzidas 72.525 unidades do Jaguar E-Type, em três versões (Série 1, Série 2 e Série 3).

Para assinalar esta efeméride, aqui fica alguma informação sobre esta máquina extraordinária.

 

 

Construtor: Jaguar Cars

Outra designação para o Jaguar-E Type: Jaguar XK-E (nos EUA)

Anos em que foi produzido: 1961–1975

Montagem: Coventry, England

Modelo Anterior ao Jaguar E-Type: Jaguar XK150

Modelo que sucedeu ao Jaguar E-Type: Jaguar XJ-S

Classe: Desportivo (GT-Grande Turismo)

Designer: Malcolm Sayer

Série 1 (1961-1968)

Características

Modelos: 2 portas, Coupé (FHC)  /  2 portas, 2+2 Coupé  /  2 portas, descapotável (OTS)

Motorização: 3,8 litros e 4,2 litros

Transmissão: Caixa manual de 4 velocidades para a frente e 1 velocidade para trás / Caixa automática de 3 velocidades

Travões: Discos nas 4 rodas

Comprimento: 4453 mm  /  4685 mm  (nos modelos 2+2)

Largura: 1657 mm

Altura:  1222 mm (FHC)  /  1273 mm (2+2)  /  1181 mm (OTS)

Peso:  1315 Kg (FHC)  /  1402 Kg (2+2)  /  1256 Kg (OTS)

Modelos:

2 portas, Coupé, com capota fixa (FHC / Fixed Head Coupé)

2 portas, 2+2, Coupé, com capota fixa

2 portas, descapotável (OTS  / Open Two Seater)

A Série 1 começou a ser comercializada em Março de 1961, destinando-se inicialmente apenas à exportação. Em Julho do mesmo ano passou a ser comercializada na Grã-Bretanha.

O Jaguar E-Type foi inicialmente equipado com o mesmo motor do modelo XK150S que o antecedeu, um 3,8 litros, de 6 cilindros em linha com dupla árvore-de-cames à cabeça e 3 carburadores da Skinners Union.

A partir de Outubro de 1964 passou a ser equipado com um motor de 4,2 litros.

A Série 1 pode ser reconhecida pelos faróis cobertos (até 1967), grelha com apenas 1 faixa estreita cromada, indicadores de mudança de direcção dianteiros e traseiros localizados por cima dos pára-choques.

Em 1966 foi acrescentado o modelo 2 portas, 2+2, Coupé com a opção de poder ser equipado com caixa automática.

Série “1 1/2(1967-1968)  –  Não oficial

Algumas alterações ditadas pelo mercado americano (faróis dianteiros sem cobertura em vidro, interruptores diferentes e duplo carburador Zenith-Stromberg) estão na origem desta série que pode dizer-se que constituiu uma transição da Série 1 para a Série 2, embora não seja reconhecida oficialmente.

A principal diferença está nos faróis dianteiros que deixaram de estar tapados por um vidro e no relevo central do capot, ligeiramente maior.

Veículos produzidos da Série 1

FHC OTS 2+2 Total
S1 3.8 7,670 7,828 0 15,498
S1 4.2 5,830 6,749 3,616 16,195
S1.1/2 1,942 2,801 1,983 6,726
TOTAL 38,419

 

Série 2 (1969–1971)


1970 Jaguar E-Type Roadster

Características

Modelos: 2 portas, Coupé (FHC)  /  2 portas, 2+2 Coupé  /  2 portas, descapotável (OTS)

Motorização: 4,2 litros, 6 cilindros em linha

Transmissão: Caixa manual de 4 velocidades para a frente e 1 velocidade para trás / Caixa automática de 3 velocidades

Travões: Discos nas 4 rodas

Comprimento: 4453 mm  /  4685 mm  (nos modelos 2+2)

Largura: 1657 mm

Altura:  1222 mm (FHC)  /  1273 mm (2+2)  /  1181 mm (OTS)

Peso:  1369 Kg (FHC)  /  1402 Kg (2+2)  /  1247 Kg (OTS)

 

Image Copyright John Filiss

 

A Série 2 foi produzida entre 1969 e 1971 e passou a ser reconhecida pelos faróis sem cobertura de vidro, pára-choques traseiro envolvente, indicadores de mudança de direcção dianteiros e traseiros localizados abaixo dos pára-choques, grelha dianteira mais larga.

O interior do habitáculo e o painel de instrumentos foram redesenhados, passando a ser utilizados interruptores de alavanca em vez de balancim, por imposição das normas do mercado americano.

A instalação de ar condicionado e direcção assistida passou a estar disponível como opção de fábrica.

Veículos produzidos da Série 2

FHC OTS 2+2 TOTAL
S2 4,855 8,628 5,326 18,809

Série 3 (1971–1974)


Características

Modelos: 2 portas, 2+2 Coupé  /  2 portas, descapotável (OTS)

Motorização: 5,3  litros V12 (alguns modelos foram equipados com o motor 4,2 litros de 6 cilindros em linha)

Travões: Discos nas 4 rodas

Comprimento: 4685 mm (2+2)  /  4686 mm (OTS)

Largura: 1676 mm (2+2)  /  1679 mm (OTS)

Altura:  1242 mm (2+2)  /  1222 mm (OTS)

Peso:  1525 Kg (2+2)  /  1533 Kg (OTS)

 

 

Na produção da Série 3 foi utilizado um novo motor V12 da Jaguar de 5,3 litros, estando disponíveis apenas os modelos 2 portas, 2+2 Coupé (2+2) e 2 portas, descapotável (OTS). Foi também produzido um número reduzido de veículos desta série equipados com o motor da série anterior, de 6 cilindros em linha com 4,2 litros.

Veículos produzidos da Série 3

FHC OTS 2+2 TOTAL
S3 0 7,990 7,297 15,287

 

 

Também foram produzidas 2 séries limitadas, destinadas à competição, variantes do Jaguar E-Type.

A Low Drag Coupé (1962) cujos carros fabricados nunca mostraram ser verdadeiramente competitivos e a Lightweight E-Type (1963–1964) que produziu carros que não ganharam qualquer das grandes corridas, como Le Mans ou Sebring,  mas que conseguiram algum sucesso em corridas menos importantes, na mão de pilotos privados.

 

SERÁ SEMPRE UM CARRO MARAVILHOSO!

Adios muchachos…

Filed under: SLB — Etiquetas:, , , — Carlos @ 13:08

A ser verdade, merece atenção e uma reacção enérgica o que vem relatado nesta notícia de hoje, n’ A Bola on-line .

Não é por por causa dos corruptos andarem a reboque do Glorioso, pois isso é normal, dada a maior grandeza do nosso Clube. Tem a ver com a falta de transparência nos negócios da olivedesportos, empresa que infelizmente detém direitos de transmissão dos nossos  jogos até 2013.

Qual é o negócio em que o preço final do produto que se está a vender não é fixado em função da mais valia que esse mesmo produto pode proporcionar ao comprador e depende do valor pelo qual irá ser transaccionado um outro produto equivalente de um concorrente?

Tem relevância o facto de a alteração do preço só acontecer para subir e não para flutuar em função do mercado, pois isso faz supor que os contraentes tinham conhecimento de que o montante inicial foi estipulado por valor mais baixo do que aquele pelo qual deveria ter sido fixado.

Se, ao invés, o referido preço tivesse sido calculado com rigor, onde iria depois o comprador buscar mais dinheiro para entregar ao vendedor, quando houvesse necessidade?

Um acordo como o descrito na notícia, só pode basear-se num negócio que gera proveitos superiores aos que foram tidos em conta inicialmente. Só dessa forma poderão ser libertadas as verbas necessárias para concretizar o referido aumento de preço! Parece-me uma fraude e vigarice!

Embora anteriormente tivesse opinião contrária, começo a concordar com alguns dirigentes do nosso Clube que dizem que se deve romper de imediato o acordo de transmissões televisivas que temos com a olivedesportos, assumindo os encargos que essa medida trouxer.

Andamos a ser espoliados há muitos anos pela empresa que alinha em negociatas com os corruptos e não ganhamos nada em prosseguir com esta ligação!

A situação do mercado não é muito favorável mas creio que conseguiremos encontrar um parceiro com quem se estabeleça um novo acordo para as transmissões televisivas, em que ambas as partes fiquem satisfeitas.

Viva o Sport Lisboa e Benfica!

 

(Este post foi reescrito em 17/03/2011, por Mr C)

 

 

13/03/2011

Basta!

Filed under: SLB — Etiquetas:, — Carlos @ 15:56

Na passada sexta-feira, em pleno dia, na cidade do Porto (ou será Palermo?), Rui Gomes da Silva, vice-presidente do Benfica, foi  covardemente agredido por desconhecidos encapuçados.

Tratou-se de um acto intimidatório, realizado por gente ligada ao clube regional assumidamente corrupto, que só um sentimento de impunidade total permitiu que tivesse sido levado a cabo.

Responsáveis por essa impunidade que se vive particularmente em Palermo:

  • Justiça inoperante que branqueou actos comprovados de corrupção e ilibou os agentes dessa corrupção.
  • Passividade das autoridades e forças de segurança.
  • Tolerância destes actos (especialmente contra o Benfica) e aceitação de que o mais importante é vencer, ainda que seja de forma ínvia, por parte dos adeptos do clube corrupto.
  • Incapacidade dos orgãos de informação, jornalistas, comentadores e analistas exporem capazmente estas situações.
  • Encobrimento e justificação destes actos com a defesa da regionalização, por parte de responsáveis desportivos, políticos e económicos do norte do país.

É inaceitável e merece uma denúncia exemplar!

A facilidade com que os bandidos actuam faz pensar que se está num país sem lei, sendo poucos os que se atrevem a denunciar estes acontecimentos. por haver medo de represálias por parte dos facínoras.

Foram cobardes as referências do presidente do clube corrupto sobre os factos desta agressão assim como é inadmissível que alguns comentadores tentem assacar responsabilidades pelo sucedido apenas aos malfeitores que a produziram, pretendendo dessa forma ilibar todos os adeptos anti-Benfica que, com o seu silêncio, apatia ou distanciamento, consentem que se continuem a praticar tamanhas atrocidades.

Estão a dar cabo do futebol e os adeptos que gostam de desporto começam a ficar cansados destas situações.

Sem descer ao nível dos bandidos, é importante que quem praticou directamente a agressão sofra as consequências adequadas mas também seria necessário  penalizar os mandantes e quem pretender desvalorizar ou branquear estes acontecimentos.

Saúdo todos os atletas, colaboradores e dirigentes do nosso Clube, particularmente os mais novos e os das modalidades, que todos os fins de semana, nas suas actividades desportivas  se expõem  e sujeitam à sanha agressora dos anti-benfiquistas e a situações como a descrita.

Sinto também um grande orgulho por todos os adeptos benfiquistas do norte do país que não deixam de manifestar o seu amor ao Clube apesar dos condicionalismos a que são sujeitos pelos nossos adversários.

Para todos os benfiquistas o momento tem de ser de união!

Viva o Sport Lisboa e Benfica!

11/03/2011

Estatísticas SLB – PSG

Filed under: Estatísticas, SLB — Etiquetas:, , — kravi @ 19:19

07/03/2011

Prioridades

Filed under: SLB — Carlos @ 16:09

E pronto, lá cozinharam mais um resultado que objectivamente nos retira hipóteses de continuar a discutir a conquista do título nacional.

À falta de argumentos desportivos suficientes,  o nosso adversário de ontem contou com a colaboração da equipa de arbitragem para ganhar o jogo. Era uma situação que se previa que viesse a acontecer mas que foi produzida de forma descarada.

Não consigo entender como alguém pode ficar satisfeito em ganhar com trapaça e preferir esse resultado a disputar as competições de forma leal.

Embora já não seja provável conseguirmos vencer a Liga, sem descurar a respectiva classificação, temos ainda 3 troféus para conquistar nesta época e é a estas provas que a equipa deve passar a dedicar maior atenção!

Viva o Benfica!

04/03/2011

Votação on-line (Março 2011)

Filed under: SLB, Sondagens — Etiquetas:, — Carlos @ 12:47

Damos hoje início à votação para escolher o melhor jogador de futebol do Benfica, durante Março de 2011.

Os jogadores submetidos a votação são todos os que constituem actualmente o plantel, exceptuando o Rúben Amorim que se encontra lesionado e não regressará tão depressa à competição.

Comecem já a votar!

.

.

Quando a votação for dada por concluída, publicaremos uma breve biografia do vencedor.

Em caso de empate, ganhará o jogador mais antigo no plantel.

03/03/2011

Rotatividade

Filed under: SLB — Etiquetas:, , , — BLA @ 11:02

Mais uma tranquilíssima vitória sobre a lagartada… Os números do jogo enganam. A verdade é que jogámos a 70% contra o Sporting, estivemos a perder e, mesmo assim, virámos o marcador e ganhámos! Banal…

Os lagartos entraram melhor que nós, motivados pela importância que um eventual acesso à Final da Taça da Liga teria na miserável época deles. Não entrámos bem. Pareceu-me que, apesar de ter escalonado uma equipa com os habituais titulares, as ordens do JJ seriam as de jogar com calma, sem grandes correrias. Só assim se explica que, na minha opinião, só tenhamos visto verdadeiras jogadas de ataque e vontade de vencer nos derradeiros 20/25 minutos de cada uma das partes. Alturas em que – motivados pelo golo sofrido na 1ª parte, ou pela necessidade de vencer o jogo, na 2ª parte –, acelerámos e criámos várias e claras oportunidades de golo. E foi isto o pouco que foi necessário para batermos, mais uma vez, os lagartos… Tranquilo, portanto…

Muito embora toda esta facilidade em bater os nossos eternos rivais me encha de regozijo, há aqui situações que, na minha opinião, precisam de ser mais bem pensadas. Estratégias são estratégias e o treinador é, sem dúvida, a pessoa mais bem colocada junto da equipa para saber qual a estratégia a escolher para cada jogo. Não obstante ter resultado perfeitamente (uma vez mais, repito: só precisámos de jogar a 70%!), a estratégia de colocar exactamente a mesma equipa que costuma jogar nos outros jogos, sem lhes dar descanso, ou dar minutos a outros jogadores menos utilizados, pode vir a trazer-nos dissabores. Aquilo que foi uma boa estratégia no imediato pode vir a demonstrar ser uma má estratégia a médio/longo prazo. Ontem já foi notória a falta de frescura – desde início – de alguns dos jogadores e, não estivéssemos nós a jogar contra a um adversário tão fraco, podíamos não ter ganho o jogo. Não podemos jogar sempre com os mesmos onze! E já no próximo Domingo jogamos com o Braga… E de hoje a uma semana recebemos o PSG… E continua assim, sempre com dois jogos por semana…

Se por um lado percebo a ideia de que este troféu (Taça da Liga) está mais próximo de poder ser ganho do que, por exemplo, o do Campeonato, ganhando importância, por outro lado acho que a rotatividade do plantel é uma das boas maneiras de manter todos os jogadores em boa forma física e motivados. E rotatividade não tem necessariamente de significar mudar-se 11 jogadores – pode muito bem ir-se mudando dois ou três por jogo, sem que isso afecte o rendimento da equipa. Que mensagem envia o treinador aos jogadores menos utilizados quando diz que “Mostrámos que queremos ganhar esta competição ao colocarmos em campo a equipa mais forte” ? Quer isto dizer que colocando os “outros” a jogar não quereríamos ganhar a competição? Com que motivação ficam os Aírtons e os Kardecs?

A época já vai longa, os jogos são muitos, continuamos a lutar pela conquista de todas as competições em que estamos inseridos – foi nesta fase da época passada que a equipa fraquejou fisicamente e sentiu algumas dificuldades que, até então, não tinha experienciado. Vêm-nos à memória os jogos em Liverpool e nas Antas…

Poder-se-á argumentar que o treinador não tem grandes opções no banco e, então, fica claro que esta questão da rotatividade da equipa vem pôr a nu outra das grandes questões desta época: o fraco planeamento aquando da constituição do plantel. O Amorim continua lesionado – não existe bombeiro de serviço. O Coentrão está esgotado – ninguém o pode substituir, apesar de termos o recém-chegado Carole e o também lesionado Peixoto. O Fernandez, pelos visto, não é opção para substituir o Gaitán na esquerda (ontem chegámos a lá ver o Jara!). O Salvio não tem concorrência para a extrema-direita. O Maxi, idem. Se, como dissemos repetidamente no início da época, existir uma conjugação de impedimentos de dois ou três destes jogadores, não temos equipa! E a altura das lesões e das acumulações de cartões amarelos está aí a chegar…

Com o cansaço evidente de algumas destas peças nucleares da equipa e a necessidade de se ir inserindo os Caroles, os Fernandezes e os Jardeis, talvez não tivesse sido má ideia ter-se procedido a uma certa rotatividade da equipa, ontem. Para ganhar ao Sporting, chegavam – ainda no ano passado ganhámos a Final da Taça da Liga ao Porto, por 3-0, com uma equipa de segunda linha!

Ganhámos e ganhámos bem. Só gostaria de ver um bocadinho mais de rotatividade do plantel e consequente frescura física nos jogadores. Venham os próximos!

Viva o Glorioso!

01/03/2011

O melhor de Fevereiro

Filed under: SLB, Sondagens — Etiquetas:, — Carlos @ 18:10

.

Encerrada a votação para o melhor jogador do mês de Fevereiro de 2011, o resultado deu como vencedor o jovem Fábio Coentrão.

 

Trata-se de um jogador ainda jovem mas que amadureceu sob o comando técnico de Jorge Jesus e se tornou num dos melhores defesas esquerdos da actualidade, em todo o mundo.

É um elemento fundamental da equipa e um verdadeiro “jogador à Benfica” que encanta quem o vê jogar.

Felicitamos Fábio Coentrão e oportunamente publicaremos uma breve biografia sua.

Um agradecimento, ainda, para todos aqueles que participaram na votação.

Dentro em breve, publicaremos também uma nova sondagem para escolher o melhor jogador de Março.

Viva o Glorioso Sport Lisboa e Benfica!

 

Older Posts »

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: